Segunda-feira, 12. Fevereiro 2018

Indústria 4.0 e fábricas inteligentes. Já chegamos lá?

Indústria 4.0 e fábricas inteligentes. Já chegamos lá?

Se não, a que distância estamos?

“Quando falamos sobre a Indústria 4.0 e o conceito de fábricas inteligentes, precisamos levar em consideração que não existem padrões neste campo que definam a que distância estamos de chegar lá, ao passo que algumas empresas e fornecedores desses serviços oferecem apenas questionários que servem de orientação para a digitalização alcançada”, disse Robert Rošer, Gerente de Produção do Programa de Eletrodomésticos de Cozinha do Grupo Gorenje. 

Já estamos no estágio final de preparação da nossa estratégia e novas medidas devem ser tomadas com muita deliberação e cautela. Mesmo já utilizando uma quantidade razoável de elementos que compõem a chamada Indústria 4.0, todas as ações futuras visam atualizar esses elementos e conectá-los a um todo inteligente.

Muitas diretrizes e elementos fundamentais para a concretização do conceito de uma fábrica inteligente já foram implementados no Grupo Gorenje, incluindo:

- ferramentas inteligentes: com sensores em ferramentas, conseguimos uma melhor produtividade e reduzimos desgastes e danos nas ferramentas, e uma linha de montagem inteligente com sensores inteligentes (por exemplo, RFID Tags and ‘reading heads’), que estão integrados na paleta na linha de montagem do aparelho;

- robôs autônomos, que já fazem parte de alguns processos de produção;

- Veículos Autoguiados (AGV) para logística interna, o veículo guiado automatizado que se move em uma dada trajetória logística e transporta materiais do ponto A para o ponto B. O veículo se move de forma autônoma e usa bandas magnéticas para orientação ou é guiado por meio de sensores laser. Os veículos também são equipados com sensores ópticos que garantem níveis máximos de segurança.

- Realidade Aumentada (RA): a implementação de tecnologia para a realidade aumentada na produção e desenvolvimento de produtos é especialmente útil no pré-desenvolvimento, pois proporciona uma melhor visualização dos produtos, controle visual dos processos de trabalho, acesso remoto, detecção precoce de fragilidades e deficiências no processo de trabalho, economia de tempo e custos etc.

- Impressão em 3D: uma oficina de protótipos centralizada com tecnologia de impressão 3D já está em uso na Gorenje, em Velenje. 

- Simulação de planta, ou seja, programa de computação gráfica que permite a modelagem e simulação de sistemas e processos de produção.      

- Um elemento importante que usamos desde 2017 são os chamados gêmeos digitais, que permitem fazer uma simulação em um ambiente digital (por exemplo, simulação de planejamento de implementação de nova produção, simulação de processos logísticos, planejamento de produção operacional etc.), reduzindo, assim, os custos e a ocorrências de erros e contribuindo para uma maior produtividade na produção.  

- Robôs colaborativos: robôs equipados com protocolos de segurança especiais que trabalham lado a lado com um ser humano e garantem um apoio eficiente para um trabalho mais fácil e rápido.


Ao incluir outros e incentivar a inovação aberta, nos esforçamos para continuar abrindo caminho para a Indústria 4.0.

No futuro, queremos ver mais robôs trabalhando lado a lado com as pessoas e implementar robôs para operações de montagem de alta precisão, onde hoje o trabalho humano ainda é indispensável.

Gostaríamos de implementar a robotização e automação no maior número possível de subprocessos de trabalho e linhas de montagem - queremos que os robôs substituam o trabalho manual humano em operações difíceis. Isso não significa que haverá menos empregos para as pessoas. Pelo contrário: no futuro, os robôs assumirão o árduo trabalho manual e as operações de montagem, enquanto as pessoas supervisionarão sua operação. Isso nos ajudará a melhorar a produtividade e aumentar o valor agregado. Ao incorporar e abrir a inovação, queremos continuar a desempenhar um papel pioneiro na Indústria 4.0.